Lançamento de livro sobre consumo erótico feminino acontece nesta quarta, 5

"Mulheres que não ficam sem pilha: como o consumo erótico feminino está transformando vidas". A tese de doutorado da professora Luciana Walther, da UFSJ, virou livro, e o dia do lançamento está chegando. É nesta quarta-feira, 5 de abril, às 19h, no Centro Cultural UFSJ. A obra aborda relacionamentos e a sociedade, e foi escrita a partir de investigação de Luciana, desde 2007, sobre as transformações que o consumo erótico feminino vem operando na sociedade. 

Luciana Walther entrevistou, para sua tese, 35 pessoas: de consumidoras a vendedoras de sex shops, de diversas idades e classes sociais, que vivem e trabalham nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. A análise aborda desde os artigos mais vendidos à questão sociológica que o consumo erótico tangencia, como os tabus sociais (e os das próprias consumidoras), o machismo e os papéis de gênero, que insistem em aprisionar a expressão da sexualidade em classificações pré-definidas, quase sempre acusatórias.

Para a autora, o tema está cercado de inseguranças e mistificações, tanto por parte de homens, quanto de mulheres. Para eles, o grande medo é o da emasculação, “a sensação de estar competindo com equipamentos aos quais se pode atribuir o orgasmo feminino, o que gera intenso ciúme.” Para elas, fala mais alto o “medo de vício, de ser vista como encalhada por adotar produtos eróticos, sejam eles compartilhados ou não com o parceiro, além de toda a carga de preconceito que há sobre a masturbação feminina”, analisa.

A pesquisadora da UFSJ ganhou destaque em veículos de mídia de todo o país, com entrevistas para os jornais O Globo, Folha de S.Paulo, Hoje em Dia, Portal uol e Rádio CBN, entre outros. Seu trabalho já foi destaque também na segunda edição da Revista Quanta, publicada no segundo trimestre do ano passado.

Sobre a autora

Luciana Walther é doutora e mestre em Administração pelo Instituto COPPEAD de Administração da UFRJ. Graduou-se como arquiteta e urbanista. É professora e pesquisadora do Departamento de Ciências Administrativas e Contábeis da Universidade Federal de São João del-Rei. 


Publicada em 04/04/2017
Fonte: ASCOM

 Voltar